Faça do SOS Guarujá seu informativo a qualquer hora. Assuntos locais e de interesse geral.

Faça do SOS Guarujá seu informativo a qualquer hora. Assuntos locais e de interesse geral.
Atualizamos o blog várias vezes todos os dias para que você tenha a informação em cima da hora.Colabore mandando eventos, matéria,denúncias,textos...tudo que possa interessar à comunidade do Guarujá.

CLIQUE AQUI E SEJA LEVADA Á MAIOR LOJA DE BIQUÍNIS DO GUARUJÁ ATACADO E VAREJO

CLIQUE AQUI E SEJA LEVADA Á MAIOR LOJA DE BIQUÍNIS DO GUARUJÁ ATACADO E VAREJO
CLIQUE E SEJA LEVADA Á MAIOR LOJA DE BIQUINIS DO BRASIL

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Capitão do navio Costa Concordia vai passar por exames médicos Há suspeitas de que Francesco Schettino estava sob o efeito de álcool e drogas na noite do acidente. O capitão foi levado para prisão domiciliar.

A operação de resgate no navio Costa Concordia foi suspensa. A embarcação começou a se movimentar, e os mergulhadores que trabalham na parte submersa do casco tiveram de ser retirados. O capitão Francesco Schetino deve passar por exames toxicológicos. Há suspeitas de que ele teria usado álcool ou drogas na noite do naufrágio.

Francesco Schetino foi para prisão domiciliar. Eram 2h30 quando chegou à sua casa, em Meta di Sorrento, perto de Nápoles, acompanhado da mulher e do irmão. Muitos jornalistas o esperavam, mas ele entrou pela porta dos fundos. Os vizinhos condenaram o comportamento do comandante, mas querem que seja a Justiça a julgá-lo.

Na terça-feira (17), Francesco Schettino passou três horas na Procuradoria de Grosseto. O comandante prestou depoimento e reafirmou sua versão de que salvou a maioria dos passageiros com sua manobra. Schettino pode ser submetido a exames para ver se, na noite do acidente, estava sob efeito de álcool ou de droga.

A divulgação das ligações entre ele e o capitão Gregorio de Falco, depois do naufrágio, piorou ainda mais a imagem do comandante italiano. Era pouco mais de 1h e, da sala operativa do Porto de Livorno, na Toscana, o chefe da capitania chamou o comandante, que estava fora do navio, em um bote.

De Falco pediu que ele voltasse para o transatlântico. Avisou que estava gravando o telefonema e começou a se irritar com as respostas evasivas do comandante. Inconformado, De Falco usou sua autoridade para dar a ordem a Francesco Schettino para que retornasse ao seu lugar de comandante, dentro do navio. Schettino se queixou de que a nave estava muito inclinada e de que estava escuro. O capitão De Falco ficou indignado. O comandante Francesco Schettino tentou se justificar. O chefe da capitania tentou trazer o comandante de volta à razão.

O número de mortos subiu para 11. Cinco corpos foram encontrados pelos mergulhadores: de quatro homens e uma mulher. Os 23 desaparecidos são da Itália, Alemanha, França, Estados Unidos, Índia, Peru e Bulgária.

Nenhum comentário: