Faça do SOS Guarujá seu informativo a qualquer hora. Assuntos locais e de interesse geral.

Faça do SOS Guarujá seu informativo a qualquer hora. Assuntos locais e de interesse geral.
Atualizamos o blog várias vezes todos os dias para que você tenha a informação em cima da hora.Colabore mandando eventos, matéria,denúncias,textos...tudo que possa interessar à comunidade do Guarujá.

CLIQUE AQUI E SEJA LEVADA Á MAIOR LOJA DE BIQUÍNIS DO GUARUJÁ ATACADO E VAREJO

CLIQUE AQUI E SEJA LEVADA Á MAIOR LOJA DE BIQUÍNIS DO GUARUJÁ ATACADO E VAREJO
CLIQUE E SEJA LEVADA Á MAIOR LOJA DE BIQUINIS DO BRASIL

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Telefonema confirma que capitão abandonou navio naufragado na Itália

17/01/2012 - 09h02

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

Um telefonema entre o capitão do cruzeiro Costa Concordia --que naufragou na sexta-feira (13) na Itália deixando ao menos seis mortos e 29 desaparecidos-- e a Capitania dos Portos italiana divulgado nesta terça-feira comprova que ele abandonou o navio ainda durante as operações de resgate e rejeitou repetidas ordens expressas de retornar à embarcação e auxiliar na retirada dos passageiros.

A imprensa italiana transcreve nesta terça trechos da conversa entre o capitão Francesco Schettino, de 52 anos, e a Capitania dos Portos que revelam que ocultou o motivo do naufrágio.
Segundo a imprensa italiana, o comandante estava em terra às 23h40 locais (20h40 de Brasília), e os últimos passageiros só foram resgatados por volta das 5h local (3h de Brasília).
Às 21h54 (18h54 de Brasília), com o navio já encalhado em frente à ilha de Giglio, no centro da Itália, o capitão garantiu que tudo estava bem e enfrentava apenas um problema técnico.
Segundo o "Corriere della Sera", a Capitania perguntou a Schettino às 0h32 (21h32 de Brasília) quantas pessoas ainda restavam a bordo. Embora a embarcação estivesse cheia, o comandante respondeu que apenas entre 200 e 300.
Andreas Solaro/France Presse
Equipes de resgate instalam explosivos na lateral do Costa Concordia para acessar partes isoladas do navio
Equipes de resgate instalam explosivos na lateral do Costa Concordia para acessar partes isoladas do navio
A resposta fez levantar suspeitas à Capitania que perguntou se ele ainda estava a bordo e Schettino confessou que o navio estava inclinando e ele havia deixado a embarcação.
"Mas como abandonou o navio?", perguntaram a partir da Capitania.
Mesmo que o capitão tenha se retratado dizendo que não tinha abandonado o cruzeiro, a partir da Capitania ninguém conseguiu encontrá-lo.
"Volte imediatamente a bordo, suba pela escada de segurança e coordene a evacuação.
Deve nos dizer quantas pessoas há lá dentro: crianças, mulheres, passageiros, o número exato de cada categoria", acrescentaram.
"Comandante, é uma ordem, agora comando eu. Anteriormente o senhor declarou que havia abandonado o navio, volte à proa e coordene o resgate porque há mortos", exigiram.
TÁXI PARA UM HOTEL
Conforme os investigadores, Schettino, que estava em terra firme e não retornou ao transatlântico, perguntou quantos corpos havia na tragédia.
Enzo Russo/Efe
O comandante do navio Costa Concordia, Francesco Schettino, foi detido em Grosseto, na Itália
O comandante do navio Costa Concordia, Francesco Schettino, foi detido na Itália; dona da embarcação o culpou
"É o senhor quem tem de me dizer quantos. O que quer fazer? Ir para sua casa? Volte imediatamente e nos diga o que é preciso fazer, quantas pessoas restam e o que necessitam", ordenaram a partir da Capitania.
O comandante garantiu que voltaria, mas testemunhas e investigadores que cuidam do caso, afirmam que ele não voltou e o viram pegar um táxi em direção a um hotel.
Como informou a empresa dona do transatlântico, a Costa Cruzeiros, o naufrágio foi causado por um "erro humano" do capitão que aproximou a embarcação até 150 metros do litoral dessa pequena ilha do mar Tirreno. 
A manobra acabou levando o barco para as rochas.
ARRASADO E PERTURBADO
Em nota, o advogado dele, Bruno Leporatti, disse que o capitão está "arrasado, perturbado e entristecido com a perda de vidas", mas considera que conseguiu salvar muitas vidas ao realizar uma difícil manobra de emergência com as âncoras depois do acidente, o que deixou o barco mais perto da costa.
Foschi negou as acusações de que os passageiros não teriam sido treinados para abandonar o navio, onde ocorreram cenas de pânico e caos depois da colisão.
Havia a bordo cerca de 1.020 tripulantes de 38 países, mas a maioria trabalha com alimentação e entretenimento, sem experiência específica com assuntos navais.
O executivo chamou os tripulantes de "heróis" e disse que eles reagiram corretamente. "Tivemos de retirar mais de 4.200 pessoas em circunstâncias difíceis, então toda a operação levou mais de duas horas. A razão para isso é que a inclinação do navio não nos permitiu usar ambos os lados para retirar as pessoas."
EXPLOSIVOS
Equipes de resgate que tentam encontrar sobreviventes do naufrágio do navio de cruzeiro Costa Concordia, na Itália, passaram nesta terça-feira a utilizar explosivos para tentar acessar partes isoladas da embarcação onde consideram que possam estar algumas das 29 pessoas que continuam desaparecidas.
Duas explosões foram realizadas logo cedo com dinamites para permitir que mergulhadores e bombeiros entrassem em partes da embarcação às quais ainda não tinham tido acesso.
Os proprietários do Costa Concordia atribuíram ao comandante do navio a culpa pelo acidente. Ele teria ordenado na noite de sexta-feira a aproximação da ilha de Giglio, na costa oeste italiana, para "saudar" a população local.
DESAPARECIDOS
Quatro tripulantes e 25 passageiros ainda estão desaparecidos, três dias depois do acidente com o transatlântico italiano que encalhou na costa da Toscana, informou na noite de ontem (16) a Guarda Costeira italiana.
"Uma hora atrás eu recebi um relatório da administração [local] de Grosseto segundo o qual 29 pessoas continuavam desaparecidas", disse o comandante da Guarda Costeira, Marco Brusco, em declarações à televisão italiana, revisando para cima uma estimativa divulgada mais cedo e que dava conta de 15 pessoas ainda sem paradeiro conhecido.
Embora Brusco não tenha esclarecido o aumento da contagem, três famílias italianas relataram que, embora seus parentes estivessem listados entre os sobreviventes, ainda não foram encontrados.
O representante da Guarda Costeira esclareceu ainda que dez alemães estão entre os 29 desaparecidos, e que há uma "faísca de esperança" de que alguns desses ainda estejam vivos.
Reuters
Imagem mostra avarias no casco do Costa Concordia; 29 pessoas continuam desaparecidas após desastre
Imagem mostra avarias no casco do Costa Concordia; 29 pessoas continuam desaparecidas após desastre
Os proprietários da embarcação atribuíram a culpa ao capitão do navio, que teria se aproximado demais da ilha de Giglio, na costa oeste italiana, para "saudar" a população local, na noite de sexta-feira.

Nenhum comentário: